25/10/2016

Ela

Confesso que quando me perguntou que eu era de verdade, senti vontade de mandar você se foder. O que diabos queria dizer com isso? Pensei.
Mas entendo. Tive raiva, apenas por não saber o que responder. Por não saber quem eu era de verdade. No fundo há o medo de descobrir os erros, notar os defeitos, não saber como lidar com eles. Ninguém quer cavar fundo em sua alma em busca dos defeitos. Eles ficam ali, escondidos. Justamente por serem defeitos. Nosso lado obscuro, onde há o mau, o egoismo e tudo aquilo que juramos de pés juntos não possuir. Há também o medo. E como há! Medo de saber e ser quem nós realmente somos e com isso, afastar algumas pessoas. Assustar, incomodar. O medo nos congela no tempo.
Nunca me aproximaria de uma pessoa como você. Língua afiada, personalidade forte. É o tipo de pessoa que incomoda e só alguns percebem esse lado. Posso estar errada. Mas ao menos é o que aparenta. Há tantos medos, segredos e sofrimentos também. Tudo que te torna a pessoa forte que é.
Após alguns cigarros e um copo de café, decidi me despir. Não só o corpo, mas minha alma. Pedindo ajuda aos deuses para enfrentar a parte de mim que sempre evitei, e ansiosa que sou, já queria tudo descobrir. Mas a compreensão de si não é assim tão fácil.
Sou grata por ter me despertado isso. Por ter feito com que eu sentisse raiva e dessa raiva, descobrisse quem sou.
Descobrisse meu lado Maria